Sunday, June 14, 2009

Quero bem

Quero o bem,
o infinito
Quero o não dito
todas as frases
as canções que
passam pelas fases
do que somos
somado a tudo que nao foi.

Quero o riso
a pele, o gosto
Não quero esse desgosto
sua ausência, encosto
Quero o olhar
não consigo mirar
os olhos que não me procuram
não esbarram nos meus
no meio de tantos outros.

Quero a soma
do que foi anunciado
e nunca, nunca mais
vai chegar.
Quero um espaço
em seus pensamentos
sem aceitar que acabou.
Quero ir pro espaço
aqui tudo está tão só
chuva em meus olhos
porque te quero bem.

E querer bem
não devia fazer mal.
cadê todos os santos
orações, quebrantos
versos pobres,
doces cantos,
Cadê o que não findou
mas se perdeu,
e ninguém acha,
o que seria nós
o que não se encaixa
o que adormecido ficou.

Kadydja Albuquerque > resgatando poesias na minha gaveta de papeis.

2 comments:

Glorinha. said...

Bem, a gente não se conhece, vi seu blog na lista do Tolices. Eu gosto da forma como vc escreve.
Bacana.

Kadydja Albuquerque said...

Obrigada, Glorinha, e visite sempre! ;-)